pexels.com

Muitas empresas tornaram-se mais jovens e abertas, por responsabilidade das novas gerações e pela velocidade a que comunicamos hoje. Foram introduzidas novas dinâmicas no mercado e a competitividade veio imprimir uma pressão muito maior sobre as empresas, seja por esmagar margens ou por trazer novas soluções que tornaram as suas obsoletas. A palavra de ordem passou a ser otimização. As empresas passaram a focar-se mais nos seus colaboradores, nas pessoas, comprovando que apenas se consegue alcançar novas dimensões envolvendo toda a equipa. A verdade é que são as pessoas que fazem as empresas e é a sua energia que garante o crescimento. 

 

A cultura da empresa tem que ser construída com os próprios colaboradores. São eles os maiores interessados e quem detém o potencial de crescimento. Deve ser dado espaço para que todos participem na criação da cultura da empresa. 

 

Uma cultura bem estruturada promove a interação entre as pessoas e, consequentemente, a partilha de conhecimento, dando lugar à discussão e à busca pela perfeição. Na prática, um ecossistema com ar respirável é a plataforma ideal para o surgimento de novas ideias. A empresa deve ser um local para onde os colaboradores querem ir e de onde não pretendam sair ao fim do dia por estarem a desfrutar de desafios. Estão estimulados.

 

As instalações devem ser orientadas para aqueles que lá passam mais tempo, os colaboradores. O espaço deve potenciar a criatividade e garantir o bem-estar. Não nos esqueçamos que a produtividade e a motivação caminham de mãos dadas. 

 

A cultura da empresa deve ter por base princípios pelos quais todos se vão orientar. Os colaboradores estão permanentemente a representar a empresa, dentro ou fora das instalações, o seu comportamento representa a empresa. Se forem positivos, vão estar a passar a imagem de que a empresa respira energia positiva. Passa a ser uma referência, pois demonstra ser uma equipa da qual todos querem fazer parte.

 

Se a sua empresa ainda não se debruçou sobre este tema, esta é a melhor altura para iniciar esse processo. Uma empresa sem cultura é uma empresa sem alma.

 

foto

Sobre o autor

Francisco Cardoso é CEO da ZALOX. Com várias décadas de experiência na gestão de empresas, projetos digitais e equipas, reúne neste blog o know-how adquirido, ajudando gestores a ultrapassar desafios atuais.